Erótico Enrustido: Manhã

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Manhã

Ele entrou na minha sala como fazia todas as manhãs, disse um "Bom dia" com um copo de café na mão, só que dessa vez quando me virei pra responder, parei. Parei porque ele me olhou de um modo diferente.
Ele virou a cabeça para um lado como se estivesse buscando o melhor ângulo do meu rosto e sorriu.
Abriu a boca como se quisesse dizer algo mas fechou antes mesmo de mostrar os dentes.
Sorriu de novo.
"Estaria ele engasgado com palavras?"- pensei.
Por fim ele disse:
- "Você é linda!"
Não pude deixar de sorrir.  Era o mesmo sorriso encabulado que eu dava todas as vezes que alguém me elogiava.
Respondi corando:
- "São seus olhos e a sua boa vontade em ver beleza em tudo."
Ele riu. Um riso gostoso, jogou a cabeça pra trás e voltou com todos os dentes dando o ar da graça, e disse:
- "É por isso que eu te acho linda. Seus olhos dizem exatamente o que sua boca verbaliza."
"E agora meu Deus, o que eu faço? Eu preciso dizer algo ou o silêncio e minha face corada já dizem tudo?"
Sorri e com o mesmo sorriso montado no rosto disse algo tipo "Bobeira" bem baixinho,entredentes e virei pro computador, ficando de costas para ele e torcendo para que o telefone tocasse.
Ele percebeu o meu desconforto e mudou de assunto.
-"E o namoro?"
"Ai, o que ele queria saber? Estaria realmente interessado na minha vida amorosa ou estava apenas jogando palavras fora para quebrar meu visível embaraço?"
Atropelando as palavras, quase sem respirar e falando rapidamente disse:
- "Você quer mesmo saber dessa história?"
"Não, não, não. Resposta errada sua infeliz."
Franzi a testa e ele disse:
- "Não. Não tenho interesse nenhum em saber nenhuma história que não queira contar. Me contento com os sorrisos, com os risos, com as piadinhas e seus olhinhos inquietos".
Abri a boca para tentar falar alguma coisa que nem eu sei o que seria, mas ele continuou:
-"É bom ver a verdade. A verdade não como um fato que a gente sabe que existe, algo abstrato e sim como algo concreto, palpável e real."
Devido a enorme confusão daquelas palavras larguei o teclado e rodei na cadeira, tornando a ficar de frente pra ele. Respirei fundo e disse:
- "Eu juro que não entendi, e não sei se cabe pedir alguma explicação - mesmo querendo - pois creio que são pensamentos altos."
E rindo - "como ele conseguia manter aquele sorriso por tanto tempo no rosto?" - sacudiu a cabeça concordando com o que tinha dito e depois de um suspiro longo disse:
- "Realmente, moça."
Se inclinou na minha direção, beijou minha testa, piscou um olho, enfiou as mãos nos bolsos da calça e caminhou lentamente como se ainda tivesse muito a dizer.
Chegando na porta, virou em minha direção novamente e disse:
- "É bom escutar um bom dia verdadeiro."
Respondi sorrindo:
- "Bom dia."
Então, finalmente, se virou e saiu.


9 comentários:

Tudo Novo disse...

Nossa, romance no ar??
Ou só um conto??

Conta L. não me deixe curiosa!
:(

Tempestade disse...

Adorei!
Beijos Tempestuosos!

Clarissa B. disse...

Momentos assim fazem o coração bater acelerado o dia inteiro...

Bjo.

Rossana Fernandes disse...

Acabei de sair do telefone com vc.
Ai, ai. Se tivesse ficado mais um pouco, já saberia tuuuuuuuuuuuudo.
Doooooooooooorrr no coração...rss
Curiosaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Bjus

ferafelina disse...

Quero cenas dos próximos capítulos!

Bjos

Vanessa disse...

HUM....amiga, precisamos por as conversas em dia... rs.

Melissa B. disse...

Gostei dele.

Niina disse...

UHmmmm...cheirinho de ansiedade...vontade de querer alguém!

huh?

Daniel Savio disse...

Hah, ficou bonito esta narração / texto, pois ele deixou a promessa de um surpresa especial...

Fique com Deus, menina L.
Um abraço.